A Favela em Davos

Celso Athayde recebe o prêmio como Empreendedor de Impacto e Inovação do Fórum Econômico Mundial 2022, na Suíça

Por carol - Em 24 de maio de 2022

Celso Athayde, fundador da Central Única das Favelas (CUFA) e CEO da Favela Holding, recebeu o prêmio do Fórum Econômico Mundial 2022 como Empreendedor de Impacto e Inovação, na cidade suíça de Davos, na tarde desta segunda-feira (horário de Brasília), dia 23 de maio. A honraria é oferecida pela Fundação Schwab.

World Economic Forum Annual Meeting 2022

.

Após dois anos, o evento retornou ao modelo presencial entre os dias 22 e 26 de maio, sob o lema “Trabalhar juntos, Restaurar a Confiança”, reunindo empresários sociais e líderes internacionais.

Em seu discurso, que começou em “favelês” e terminou em inglês, Celso falou da sua infância difícil e exaltou a potência da favela, que ali estava representada no garoto que aos seis anos de idade morava na rua, mudou de vida através do empreendedorismo, e hoje está discursando no Fórum Econômico Mundial. Sem deixar de frisar que estava representando os 17 milhões de moradores de favela do Brasil, e toda a riqueza que eles produzem.

“As favelas são territórios cheios de resiliência e alegria. Favela não é espaço de carência, mas de potência e confiança. Juntos criamos a maior organização que representa favelas do país — CUFA. Criamos também a Favela Holding, um conjunto de 24 empresas sociais”, disse Celso Athayde, ao receber o prêmio do Fórum.

Entre as suas agendas na Suíça, Celso tem falado sobre o Quarto Setor da economia. Ideia que vem para consolidar a economia da favela, refazendo o uso do lucro para impactar na base da pirâmide, que pauta o terceiro setor. Sem deixar de lado a capacidade de inovar, sua dinâmica cultural e seu potencial empreendedor, que esses territórios possuem e que muitas vezes não são percebidos nem por empresas, nem organizações e nem governos.

Celso fez questão de chamar atenção para a necessidade de se olhar e, sobretudo, se incentivar o empreendedorismo nas favelas, por tudo que os seus moradores, empreendedores natos, de acordo com Athayde, são capazes de gerar e produzir para a sociedade.

“O avanço do empreendedorismo nas favelas é urgente, não apenas no Brasil. O mundo precisa escolher. Ou dividimos com as favelas as riquezas que elas produzem, ou continuaremos dividindo as consequências da exclusão social que a elite mundial continua produzindo”, salientou Celso Athayde.

Mais notícias

Ver tudo de IN News