REDUZIR IMPACTOS

Fecomércio-CE defende funcionamento do setor produtivo durante o Carnaval

Por Marcelo - Em 1 de fevereiro de 2021

O funcionamento do comércio durante o período de Carnaval foi um dos principais assuntos debatidos durante a primeira reunião de diretoria do Sistema Fecomércio Ceará deste ano, que devido às restrições sanitárias geradas pela pandemia do novo coronavírus, foi realizada de maneira híbrida.

Maurício Filizola ressaltou que o setor foi duramente atingido                     Foto: Divulgação

“O ano de 2020 foi bem ativo, com muitas articulações para vencermos os desafios da pandemia. Este ano temos mais desafios pela frente; ações e estratégias para engrandecer os sindicatos e a área empresarial”, afirmou o presidente Maurício Filizola, logo na abertura dos trabalhos.

Ele ressaltou que além de não existir uma lei que determine feriado nesse período, ainda estamos em um cenário de pandemia, em que o setor produtivo vem sendo severamente atingido, afetando, principalmente o comércio de bens, serviços e turismo, que teve suas portas fechadas, ocasionando a quebra de muitos negócios.

O decreto do Governo do Estado estabelecendo a suspensão, em todo o Ceará, de quaisquer festas ou eventos comemorativos de Carnaval, segundo o presidente, visa não apenas a recuperação da economia, mas contribui muito para a área da saúde, evitando as aglomerações e o aumento da disseminação da Covid-19.

“No ano passado lutamos muito para o comércio reabrir suas portas. Este ano precisamos redobrar a atenção para o trabalho e recuperar o que foi perdido”, lembrou Filizola. A reunião também debateu a contribuição assistencial e a defesa do funcionamento do setor de eventos.

Segundo o presidente da entidade, está marcada uma reunião com os bancos para esta semana, visando de debater ajuda financeira e prorrogação de prazos para que as empresas de eventos possam honrar seus compromissos com as instituições financeiras. “Tudo isso visando a manutenção dos empregos nesse setor”, ponderou.

Sobre assuntos jurídicos, o consultor da área da Fecomércio, Hamilton Sobreira, explicou sobre a autorização da Justiça para as empresas pagarem débitos previdenciários com créditos de PIS e Cofins. Segundo ele, quanto maior a folha de pagamentos da empresa, maior é o volume de contribuição previdenciária, sendo mais vantajoso poder fazer esse tipo de operação para reduzir a carga tributária.

Já a diretora Institucional da Fecomércio, Cláudia Brilhante apresentou os cenários e desafios políticos de 2021. Ela ponderou quatro pontos primordiais para este ano: plano de vacinação, retomada das reformas administrativa e tributária, agenda fiscal e crescimento econômico.

E a coordenadora Geral de Comunicação e Marketing do Sistema Fecomércio Ceará, Raquel Barros, apresentou aos diretores a nova plataforma de streaming com conteúdos próprios, a Fecoplay, além de fazer um detalhamento do relatório de resultados da Comunicação de 2020.

Mais notícias

Ver tudo de IN Business