TENSÃO INTERNACIONAL

Igor Lucena adverte que invasão da Ucrânia pode travar a economia global

Por Marcelo - Em 28 de janeiro de 2022

As tensões internacionais provocadas pela grande movimentação de tropas russas na fronteira com a Ucrânia, que tem levado os Estados Unidos a acreditarem que a Rússia pretende invadir o pequeno país vizinho, podem levar a um acirramento da discussão sobre a possível entrada ucraniana na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), junto com a Geórgia, o que não é aceito por Vladimir Putin e os líderes de Moscou.

Segundo as informações chegadas aos EUA, mais de 120 mil militares russos estão na região próxima à Ucrânia, mas o Kremlin nega qualquer possibilidade de invasão. Entretanto, Estados Unidos e seus aliados já estariam com algumas tropas preparadas para defender Davi de Golias. Mesmo assim, tanto de um lado quanto de outro, existe o discurso que não há intenção de atividades bélicas, mas sim sanções econômicas, o que poderá desequilibrar ainda mais o já combalido cenário econômico global, que vem sendo fortemente impactado pela pandemia do novo coronavírus, há dois anos.

Igor Lucena acredita que a probabilidade de invasão da Ucrânia é alta                Foto: Portal IN

Para o economista e diretor de Investimentos do Grupo Corpvs, Igor Lucena, doutor em Relações Internacionais pela Universidade de Lisboa e membro do The Royal Institute of International Affairs, a situação da Ucrânia poderá gerar um conflito internacional, que pode trazer consequências desastrosas para a economia global. Vale lembrar que o governo norte-americano já determinou a retirada de diplomatas e seus familiares da capital ucraniana, ação que deve ser seguida pelo Reino Unido nos próximos dias.

Ele destaca que do ponto de vista geopolítico, a probabilidade de invasão é alta. “Por um motivo muito simples, a Rússia argumenta que a expansão ao Oeste da Otan, com o possível ingresso da Ucrânia e outros países do antigo bloco soviético, faz com que isso possibilite o trânsito de tropas ocidentais livremente na região vizinha à Rússia. E que os dirigentes de Moscou até já perguntaram se os Estados Unidos aceitariam o ingresso de tropas russas em Cuba ou até mesmo no México. Mas a Rússia não tem o direito ou autonomia para decidir que país pode ingressar na Otan, ou não”, lembrou Igor.

Passaporte

O executivo do Grupo Corpvs informou, ainda, que existem mais de 500 mil passaportes russos emitidos nos últimos dois anos para cidadãos ucranianos separatistas. Com isso, qualquer ação naquele país vizinho, pode levar a Rússia a alegar que realizou uma movimentação militar para defender seus cidadãos que estão em solo da Ucrânia.

E ressaltou que várias sanções econômicas podem ser adotadas pelos Estados Unidos e seus países aliados, mas que a mais dura seria o uso do Sistema Swift, que é internacional e fica sediado na Bélgica, interconectando mais de 200 países e cerca de 11 mil instituições financeiras, possibilitando o rastreamento de movimentações de recursos em nível mundial. “Se isso ocorrer, você desestabiliza economicamente a Rússia, pois ela não receberá mais transferências externas, e não poderá vender gás natural e outros produtos, pois não receberia os respectivos pagamentos”, disse.

Gás russo atende às demandas residenciais e industriais de muitos países europeus 

Essa situação geraria problemas para boa parte dos países europeus, uma vez que 100% do gás consumido pela Áustria é originário da Rússia; 35% do gás usado pela Alemanha vem de lá também. Ou seja, existe uma grande dependência dos europeus do gás russo, tanto para aquecimento de residências quanto para atender às indústrias.

“Haveria uma redução drástica da cadeia produtiva europeia, lembrando que a União Europeia é o maior parceiro comercial dos Estados Unidos e um dos principais do Brasil, o que poderia travar o comércio internacional, gerando quedas generalizadas das ações do mercado financeiro. E isso seria desastroso para a economia global, pois todos os países sofreram com a pandemia e a inflação cresceu em praticamente todo o mundo, ficando muito difícil suportar essa paralisação de negócios”, explicou.

No Brasil, onde a inflação está muito elevada, haveria uma situação muito pior, que poderia até impossibilitar a recuperação econômica nacional, neste momento já tão conturbado, além de gerar reflexos muito negativos para toda a economia mundial. “Seria desastroso. Mas, é importante lembrar que o Vladimir Putin tem mais de US$ 600 milhões em reservas e tem a quarta maior reserva em ouro do planeta, ou seja, o governo de Moscou se preparou para poder enfrentar situações econômicas desafiadoras”, completou Igor Lucena.

Mais notícias

Ver tudo de IN Business