ATENDER ÀS DEMANDAS NACIONAIS

Mauro Filho destaca que governo não pode cortar os investimentos públicos

Por Marcelo - Em 14 de janeiro de 2022

O deputado federal e coordenador do programa econômico do presidenciável Ciro Gomes, Mauro Filho afirmou que o primeiro ponto que a população precisa entender é que não existe social sem dinheiro. Não dá para realizar obras ou implementar programas que atendam às inúmeras demandas da sociedade, sem que o poder público realize vultosos investimentos. Por isso, o Governo Federal não pode simplesmente cortar seus gastos.

“Ajuste fiscal não é um fim em si mesmo, apenas cortar porque precisa cortar. Afinal, precisamos de dinheiro para fazer as obras necessárias ao desenvolvimento do País. Dotar os estados, os municípios e a União para atender as demandas que a população necessita, então eu não posso prender”, afirmou o parlamentar cearense.

Mauro Filho ressalta que não existe social sem dinheiro                                     Foto: Divulgação

Ele ressaltou que existem duas áreas dentro da administração pública – educação e saúde – que não crescem de acordo com a inflação, mas sim com o crescimento do PIB nacional. “E o investimento fica solto? Não. Ele vai ser atrelado ao crescimento real da receita, pois sem investimento não existe crescimento, empregos, e as pessoas precisam disso”.

Fez duras críticas ao Governo Federal, que deu um calote nos precatórios, afirmando que a União não poderia se endividar mais para pagar o Auxílio Brasil. “Ao mesmo tempo, o Banco Central elevou a taxa básica de juros (Selic), de 2% para 9,25% ao ano, e dizem que vai a 11%. Ou seja, 7% em cima da dívida do Governo, de R$ 6,5 trilhões, dá R$ 450 bilhões, para pagar aos bancos. Isso tem de acabar, e urgente”, destacou Mauro.

Lembrou que o ministro Paulo Guedes disse que a economia ia crescer em V, mas isso deverá ser invertido. “Vamos crescer muito em 2021, cerca de 5%, e pouco este ano, cerca de 0,45%, de acordo com as perspectivas do mercado. Tá falido o modelo. De 2010 a 2020 o Brasil cresceu 0% em média, o que é um desastre para a nossa economia, para a renda per capita do País”, explicou.

Teto de gastos deve crescer na proporção da expansão do Produto Interno Bruto

Afirmou que criar teto de gastos para frear a despesa primária corrente – pessoal, previdência, insumos – pode até ocorrer, mas para investimentos, não. O teto dos gastos não deve crescer de acordo com a inflação, mas sim seguindo o crescimento real do Produto Interno Bruto, que é aquela expansão que vem além da inflação. Por exemplo, se o PIB cresceu 2%, então a despesa primária corrente – sobretudo educação e saúde -, poderá crescer na mesma proporção do crescimento real do PIB, ou seja, a inflação mais 2%.

Como coordenador do programa econômico do Ciro Gomes, Mauro Filho afirmou que a cobrança de impostos dos mais ricos deve ser a sua primeira ação – especialmente Imposto de Renda na distribuição de lucros e dividendos -, que numa alíquota de 15% teria como receita R$ 48 bilhões por ano. A segunda medida seria reduzir a desoneração fiscal em 15%, que hoje chega a R$ 300 bilhões, o que geraria mais R$ 45 bilhões.

“O povo não sabe que o queijo suíço não paga imposto, é 0%. Conseguiram por meio de lobby, assim como o filé mignon, não pagar PIS/Cofins. Mas o pobre paga imposto sobre tudo. Todo cidadão brasileiro que tem um carro paga um IPVA sobre o seu bem. Já quando um rico compra uma lancha, um helicóptero, não tem um imposto anual. Outro descalábrio é que o Imposto de Renda não incide sobre dividendos. Somente o Brasil e a Estônia não realizam essa cobrança. Mas já recebi informações de que lá essa questão já estaria sendo tratada no âmbito do seu parlamento”, completou Mauro Filho.

Mais notícias

Ver tudo de IN Connection