NEGÓCIOS

Artesãos cearenses se destacam no Programa Exporta Mais Brasil

Por Redação - Em 30/09/2023 às 9:57 PM

Artesãos Cearenses Se Destacam No Programa Exporta Mais Brasil

No total, 58 artesãos de todo o País apresentaram seus trabalhos aos compradores trazidos pelo programa FOTO: Governo do Ceará

A arte que surge a partir das mãos das artesãs e artesãos cearenses são fonte de sustento para muitas famílias no Estado e também oportunidade de gerar mais profissionalização e desenvolvimento socioeconômico para esse público, a partir de capacitações e da possibilidade de negociação com compradores de outros países. Assim, nos dias 27 e 28 de setembro, durante a 5ª Feira Nacional de Artesanato e Cultura (Fenacce), Fortaleza foi sede da rodada de artesanato do Exporta Mais Brasil, programa da da ApexBrasil, agência de fomento à exportação do governo federal.

A artesã da palha da carnaúba, Fátima de Oliveira, da Associação Carnaúba da Arte, de Aracati (CE), foi uma das profissionais que participaram do evento. Com apoio da Secretaria da Proteção Social (SPS), por meio da Central de Artesanato do Ceará (CeArt), Fátima participou de capacitações e pôde apresentar um catálogo das peças e uma biografia do grupo, traduzidos para o inglês, para dez compradores de países como Holanda, Reino Unido, Irlanda, Áustria, Estados Unidos, China, Japão e Jordânia. “Procurei mais conhecimento, melhorar as redes sociais do grupo e achei muito legal porque o meu produto interessou os compradores e foi uma experiência muito positiva participar dessa negociação”, conta a artesã, líder da associação que conta com aproximadamente 30 mulheres da comunidade do Jirau, em Aracati, distante 130 quilômetros de Fortaleza.

No total, 58 artesãos de todo o País apresentaram seus trabalhos aos compradores trazidos pelo programa. O Ceará foi destaque entre os estados com o maior número de artesãos selecionados para o programa que contou com uma curadoria internacional. Seis artesãos cearenses participaram, entre eles, pelo segundo ano consecutivo, a artesã de crochê de São Gonçalo do Amarante, Conceição Juvêncio.

Para ela, o encontro abre portas para novos mercados que valorizem a produção cearense. “É uma experiência muito interessante porque temos contato com clientes de países diferentes. Ano passado, fechamos negócio com um comprador da Tailândia e, mesmo que esse ano não gere pedidos, sei que quando os pedidos vierem estaremos prontas para atender esses clientes de fora do País”, ressalta. Juvêncio trabalha há mais de vinte anos com o grupo Artfio, na comunidade Curral Grande, em São Gonçalo do Amarante, distante 60 km da capital cearense.

“É muito importante esse contato mais próximo com o mercado internacional. Hoje, já participamos de feiras nacionais e mesmo internacionais, que proporcionam que o artesanato cearense chegue ao exterior. Mas uma negociação direta entre artesãos e compradores é muito importante para que eles conheçam ainda melhor o mercado externo”, destaca Onélia Santana, secretária da Proteção Social.

A secretária destaca que, para promover a exportação do artesanato cearense, a CeArt realizou uma curadoria muito próxima aos artesãos participantes, selecionando peças e estimulando a inovação na produção de coleções e conteúdo para as redes sociais. Por meio da CeArt, a SPS também promove capacitações que preparam para esse tipo de negociação, entre elas, composição de preço e inovação dos produtos.

Nesta edição, os artesãos cearenses participaram de 38 reuniões da Rodada com uma avaliação positiva, segundo o representante Regional Nordeste da ApexBrasil, Sérgio Ferreira. “Os artesãos cearenses saíram bastante satisfeitos com negócios já fechados e muito bem avaliados pelos compradores”, afirma.

Com uma loja de artesanato brasileiro no Japão, a compradora internacional Yasuko Yamamoto disse que fez bons negócios durante a feira. “Foi muito legal para mim porque consigo encontrar diversos artesãos aqui porque cada um deles mora muito longe da cidade, mas aqui encontro muitos deles rapidamente”, explica, acrescentando que a procura maior é por artigos de palha, rendas e sementes. “Vou sair com muitas caixas no avião”, disse sorridente. (Com Governo do Ceará)

Mais notícias

Ver tudo de IN Business