EMPREENDIMENTO EM MARANGUAPE

Entidades debatem novo polo industrial com investimentos de R$ 300 milhões

Por Marcelo - Em 5 de agosto de 2022

Representantes da diretoria do Sindquímica, do Sindconfecções e do Sindroupas e associados receberam, no Observatório da Indústria da FIEC, o prefeito de Maranguape, Átila Câmara. A reunião teve como objetivo apresentar o projeto de um polo industrial naquele município, que já se concretiza como uma realidade, inclusive com empresas interessadas em instalar-se no local, a exemplo do Grupo Alyne Cosméticos e da Vonixx, associadas ao Sindquímica, e também de empresas do setor de confecção, dos sindicatos filiados à Federação das Indústrias do Estado do Ceará.

Átila Câmara e Paulo Gurgel acreditam no potencial do novo polo                 Foto: Divulgação

A expectativa de investimentos para o referido polo será em torno de R$ 300 milhões, impactando fortemente na economia do município. Participaram da reunião: os presidentes do Sindquímica, Sindiconfecções e Sindiroupas Paulo César Gurgel, Daniel Gomes e Paulo Alexandre, respectivamente; os vices Beto Chaves (Sindquímica) e Aluísio Ramalho Filho (Sindiroupas); o ex-presidente do Sindconfecções, Elano Guilherme; diretores do Sindquímica; o prefeito Átila Câmara, e o arquiteto responsável pelo projeto do polo, André Moura.

Segundo Paulo Gurgel há uma expectativa muito positiva sobre o novo equipamento, tanto no município quanto no meio empresarial. “Acredito que uma vez iniciado, a evolução do polo será muito rápida. Só vejo ganhos no IDH e na economia do município, pois o empreendimento gerará muita mão de obra, ratificará a vocação para confecção que Maranguape já possui, como precursora no ramo de vestuário, e agregará mais um ramo, o setor químico”, destacou Paulo Gurgel. Ele disse que ainda é um pouco cedo para falar em investimentos, mas estima algo em torno de R$ 300 milhões.

De acordo com o arquiteto responsável pelo Polo, que apresentou o projeto conceitual na reunião, o Polo de Maranguape seguirá o modelo do Polo Químico de Guaiúba. O empreendimento de Maranguape, no entanto, será híbrido: contará com indústrias do ramo de confecções e químicas. O projeto ocupará uma área de 47 hectares, próxima à CE-065, cedida pela prefeitura, que já está em processo de regularização do terreno para a cessão, e deve ser executado em duas etapas. “O Polo de Maranguape segue a mesma linguagem do Polo de Guaiúba, trazendo o mesmo conceito moderno, que faz com que as empresas tenham articulação entre elas, divisão de tarefas e compartilhamento. Maranguape terá um total de 35 lotes industriais mais um lote de seis hectares”, detalhou André Moura.

O prefeito de Maranguape reforçou que a prefeitura fará um empréstimo para a infraestrutura inicial do local, mas planeja também uma reunião com o Governo do Ceará e a Adece para solicitar apoio. Uma equipe composta pela presidência da FIEC, sindicatos envolvidos e Prefeitura de Maranguape participará dessa reunião. “Estamos vendo sair do papel o sonho do Polo Industrial de Maranguape, que vai envolver tanto o setor químico quanto o setor de vestuário. A prefeitura já está encaminhando todos os esforços, já apresentamos esse projeto conceitual, a FIEC está totalmente envolvida e agora vamos ao Governo do Estado buscar os incentivos necessários para que esse polo gere milhares de empregos no município. Agradeço imensamente a Federação das Indústrias pela parceria no projeto”, reforçou Átila Câmara.

Representantes dos sindicatos receberam o prefeito Átila Câmara, de Maranguape, no Observatório da Indústria da FIEC

Mais notícias

Ver tudo de IN Business